Desenhando

Aquarela: Carla OConnor: Figuras em aquarela e guache

Aquarela: Carla OConnor: Figuras em aquarela e guache

Um dos objetivos de Carla O’Connor em uma oficina é convencer os alunos a parar de pensar nas ferramentas da pintura de mídia aquática - pincéis, tintas e papel - e a se concentrar na expressão. 2 lápis, uma caneta esferográfica ou um computador para revelar seus pensamentos mais profundos.

Para ler mais recursos como esse, assine o Aguarela hoje!

de M. Stephen Doherty

New York Model
2007, aquarela e guache, 30 x 20.
Todas as obras deste artigo
coleção o artista
exceto quando indicado.

Os alunos das minhas oficinas podem ficar muito chateados me observando aplicar continuamente e depois lavar camadas de guache ” Carla O’Connor diz. “Eles acham que eu deveria ser mais deliberado. O que tenho que explicar é que o processo é uma parte essencial de como eu me expresso. Além disso, quem se importa se eu usar os materiais economicamente se acabar com uma pintura que não significa nada para mim? "

Esse processo aparentemente sem objetivo permite que o O'Connor crie pinturas magistrais que ressoam com outros artistas, juízes de exposições, curadores e colecionadores. Somente no ano passado, ela foi convidada para realizar 15 oficinas, julgar quatro exposições internacionais, participar de três exposições coletivas e ajudar a julgar os prêmios da exposição de 2008 da American Watercolor Society. Uma dessas exposições coletivas, a Invitational Exhibition of Contemporary International Watermedia Masters, continua a viajar por toda a China e Taiwan e foi documentada em um livro de 76 páginas.

O’Connor tem a capacidade notável de integrar figuras representacionais em espaços pictóricos abstratos, uma abordagem que ela trabalhou duro para desenvolver durante sua carreira. “Em um nível ou outro, todo artista lida com as qualidades abstratas das imagens e a ilusão de uma realidade tridimensional em uma superfície bidimensional”, comenta ela. "Para mim, quase sempre preciso relacionar o que estou fazendo com uma forma humana e, mais frequentemente, essa forma é uma mulher. Às vezes pinto homens e crianças, mas experimento o mundo como mulher, e esse é o melhor ponto de referência para mim. "

O artista introduz figuras de uma de duas maneiras, seja no início do processo criativo ou depois que uma rica superfície de cores, formas, linhas e texturas está bem estabelecida. “Não sei explicar por que adoto uma abordagem ou outra, mas às vezes começo com uma figura que se torna a chave da pintura; outras vezes, busco um método mais intuitivo de deixar uma figura emergir de dentro de uma pintura e me surpreender ", explica O'Connor. “As figuras geralmente são baseadas em desenhos ou pinturas feitos de uma modelo que posou para uma oficina ou de alguém que eu contratei para ir ao meu estúdio para poder fotografá-la em preto e branco. Se a pose da modelo ou a expressão no rosto dela sugerir algo para mim, inicio a pintura estabelecendo seu formulário no papel e depois construo a pintura ao seu redor. Posso responder às sugestões de seu corpo virar, inclinar-se, esticar ou agachar-se; ou posso simpatizar com as emoções expressas em seu rosto, voz ou gestos, e essas se tornam o motivo para pintar o quadro.

Pedras Sagradas
2006, guache, 30 x 22.

"A motivação para pintar pode ser algo tão simples quanto o formato da camiseta de uma modelo ou a elegante extensão de seus braços", continua o artista. “A menos que sinta uma forte conexão emocional com a pessoa que precisa se tornar o conteúdo da pintura, apenas avalio as formas no corpo, na roupa e no ambiente da modelo. Nem toda pintura exala conteúdo, mas sempre há uma mensagem a ser descoberta e transmitida através da linguagem corporal do modelo e dos padrões que eu crio em torno dela para apoiar isso.

"A segunda abordagem é adicionar a figura posteriormente no processo de pintura e garantir que a forma humana não seja a parte dominante da pintura", acrescenta O'Connor. “Simplesmente largo uma cor, adiciono outra, lavo a tinta e repito esse processo até ficar satisfeito com as formas, padrões, texturas e cores. Ao longo desses estágios, tento evitar a visualização da pintura final, porque não quero que nenhuma das minhas decisões seja tomada antes do que virá a seguir.

"Como acho importante permanecer no momento e não antecipar o processo criativo, aconselho os alunos a identificar o ponto focal mais óbvio no assunto que eles estão considerando e tomar uma decisão consciente de ignorá-lo", diz O'Connor. “Quero que eles descubram e desenvolvam algo inesperado quando pintarem. É por isso que às vezes começo minhas pinturas aplicando e lavando guache e, em seguida, introduzindo uma figura em um local incomum para que ela suporte, mas não sobrecarregue a composição.

"Com qualquer uma das abordagens da pintura, tento permanecer focado em aproveitar o processo e não em estabelecer uma meta de fabricar um produto", enfatiza O'Connor. “Muitas vezes os artistas tratam o processo de pintura como se estivessem realizando uma tarefa em vez de desfrutar de uma experiência. Entendo que é difícil mudar de uma preocupação vitalícia para alcançar objetivos e medir as realizações em termos de dinheiro, prêmios ou reconhecimentos; mas criar arte significativa não tem nada a ver com esse tipo de processo, nem pode ser medido de acordo com um padrão objetivo e quantificável. É difícil de aceitar para muitas pessoas, mas, uma vez que o fazem, elas são livres para serem verdadeiramente criativas ".

Segundas chances
2007, aquarela e guache, 20 x 30.

O'Connor tem muitas idéias claras de como ela pode ajudar outros artistas a obter mais prazer com o processo criativo, e essa é uma das razões pelas quais ela está disposta a realizar tantas oficinas e por que os alunos voltam a trabalhar com seu ano. depois do ano. “Uma das melhores maneiras de crescer e se desenvolver como artista é ensinar outra pessoa, e eu certamente aprendi sobre mim mesma ao tentar ajudar os outros”, explica ela. "O processo criativo é quase 80% mental e 20% físico".

Esse esclarecimento acontece em um programa de workshop muito estruturado que inclui mini-demonstrações, recomendações claras, discussões em grupo e conversas individuais. "Sugiro às pessoas que adquiram uma nova identidade quando participarem de uma de minhas oficinas", diz O'Connor. “Quero que eles estejam preparados para tentar algo completamente novo. Suponho que eles se inscreveram em um workshop com Carla O’Connor ou outra pessoa porque querem aprender com esse instrutor. Por que gastar todo esse tempo e dinheiro participando de uma oficina se o aluno pretende apenas demonstrar o que ele ou ela já sabe? ”

Bolsa Espiritual
2006, watermedia misto, 30 x 22.
Coleção Sr. Alan Long.

"Meu processo de pintura é tão aberto que nem tento concluir uma pintura durante uma das demonstrações que ofereço uma aula", acrescenta O'Connor. “É um processo de tentativa e erro - ir e vir, largar, levantar, experimentar - até que todo o esforço usado para produzir a pintura não seja mais evidente. Há tantas mudanças acontecendo que os alunos podem ficar confusos, frustrados e às vezes entediados se eu os fizer passar por tudo isso. Em vez disso, faço apenas breves demonstrações de idéias, materiais e abordagens específicas para ilustrar alguns dos pontos que abordo na conversa. Posso voltar e trabalhar na mesma pintura, mas somente se houver um ponto que possa ser útil para os participantes.

"Se uma modelo está posando para o workshop, insisto para que as pessoas trabalhem e não percam tempo conversando, fazendo lanches ou se deixando distrair", diz O'Connor. "Estamos pagando pelo tempo do modelo e precisamos ter uma coleção de desenhos disponíveis quando começamos a pintar, por isso é imperativo que aproveitemos ao máximo a oportunidade de desenhar. O modelo é uma mercadoria preciosa, e o desenho é a base de toda arte. ”

O’Connor trabalhou recentemente com a Creative Catalyst Productions (www.ccpvideos.com), uma produtora de excelentes programas de instrução artística em DVD que apresentam alguns dos melhores instrutores do país. "Os produtores fizeram um ótimo trabalho que eu tenho certeza que os espectadores acharão que entraram no meu estúdio enquanto eu trabalhava; mas, como a maioria dos programas filmados, era realmente um procedimento muito mais complicado do que se poderia imaginar ”, explica o artista. “Eu estava em um estúdio completamente à prova de som sob luzes quentes, com cinco câmeras apontadas para mim, e tive que ficar em uma marca indicada no chão do estúdio sem poder andar por aí. Após um longo dia de filmagens, os editores reuniram tudo para que fosse um programa contínuo e rápido, repleto de informações valiosas para artistas de media aquáticos - especialmente porque a tecnologia de DVD permite que eles parem, congelem o quadro, retrocedam e reiniciem o programa; ou eles podem selecionar os capítulos que mais desejam ver novamente. É como ter seu próprio instrutor particular que repetirá qualquer coisa que você queira ver novamente ou que pare de pintar para que você possa ver o trabalho dela pelo tempo que quiser. É realmente incrível."

Viajantes
2007, aquarela e guache, 32 x 32.

Sobre o Artista
Carla O’Connor formou-se em Belas Artes pela Kent State University, em Ohio, e continuou seus estudos na Universidade das Américas, na Cidade do México; a Universidade de Dayton, em Ohio; e a Universidade de Wisconsin, em Milwaukee. Ela é membro da American Watercolor Society (Dolphin Fellow), da National Watercolor Society e da Northwest Watercolor Society. Suas pinturas foram incluídas em exposições organizadas por essas organizações, bem como as da Sociedade Nacional de Watermedia da Rocky Mountain e da San Diego Watercolor Society. Além disso, suas pinturas foram apresentadas em vários livros e revistas nacionais de arte. Ela ministra oficinas nos Estados Unidos e no exterior. Para mais informações, visite www.carlaoconnor.com.

Para ler mais recursos como esse, assine o Aguarela hoje!


Assista o vídeo: FOLHAS u0026 FLORES EM AQUARELA - Speed painting (Pode 2021).