Encontre seu assunto de arte

Ponto focal vs. Centro de Interesse

Ponto focal vs. Centro de Interesse

Colcha de Sam, Aquarela 14 × 20 de Dale Ziegler, é uma pintura muito bem feita e atraente que oferece uma importante lição sobre dois conceitos fundamentais em boa composição: centro de interesse e ponto focal. Embora essas duas idéias possam parecer sinônimos, há uma diferença crítica que, quando entendida corretamente, ajudará você a criar composições mais fortes.

Um centro de interesse é a parte da imagem que atrai a mente. Um ponto focal é a área de uma imagem que atrai os olhos. O centro de interesse atua como um "chamador de atenção". Ele comanda a curiosidade ou a concentração mental do espectador, e é a parte da imagem que achamos naturalmente fascinante e queremos saber mais. Exemplos de centros de interesse são olhos e rostos, figura humana, animais, letras, números e símbolos e objetos feitos pelo homem. Quando digitalizamos uma imagem pela primeira vez, nossa atenção é naturalmente atraída para esses itens.

Aviso em Colcha de Sam que o artista criou um forte centro de interesse: o rosto sorridente do menino. Quem resistiria a olhar para aquele jovem de olhos brilhantes? Rostos e figuras são centros naturais de interesse.

Um ponto focal, por outro lado, atua como uma espécie de "ímã ocular". Um forte contraste de valor tonal (claro vs. escuro) é o ímã visual mais poderoso. O olho do espectador é naturalmente atraído para áreas onde a luz e a escuridão estão em justaposição gritante. Cores brilhantes, detalhes finos, bordas nítidas, anomalias, padrões e quaisquer "ponteiros" em forma de flecha também atraem os olhos. Qualquer parte de uma imagem que exiba esses recursos fará com que o espectador focalize seu olhar nela.

Um exemplo de ponto focal também pode ser visto nesta pintura. No canto superior direito, há um quadrado solitário no padrão que se destaca do resto - um remendo azul claro cercado por vermelhos brilhantes. Esse pequeno ponto é um forte "ímã ocular" porque contrasta em valor, temperatura de cor e tamanho com o ambiente; o olho é naturalmente atraído por ele.

Aí reside um problema em potencial: para que uma imagem seja bem-sucedida, o centro de interesse também deve ser um ponto focal. Em outras palavras, deve haver uma área que atraia os olhos e a mente. Ter uma área em uma imagem que atraia sua mente e outra que atraia seus olhos é confusa e distrai o espectador.

Nesta composição, aquele pequeno quadrado azul está competindo com o rosto do garoto por sua atenção. Afasta os olhos do rosto, especialmente porque está quase nivelado com os olhos dele. Para ver o quão forte é a atração, tente encobri-la. O quadrado pode ser atenuado em valor ou temperatura de cor, tornando-o mais cinza, mais quente e pelo menos um tom mais escuro. A área ainda será perceptível e funcionará muito bem como uma atração secundária para os olhos, mas não será uma distração.

O contraste entre a geometria precisa e o padrão brilhante do trabalho da colcha e o sorriso irresistível do menino Colcha de Sam uma composição bem-sucedida que poderia ser ainda mais forte com um pequeno ajuste em um pequeno pedaço de pintura.

O trabalho artístico da Art Clinic é escolhido a partir dos trabalhos publicados em nosso quadro de mensagens do ArtistsNetwork.com (você deve fazer logon como membro registrado para visualizar e publicar no fórum Art Clinic.)

Confira outras críticas da Art Clinic na página principal da Art Clinic.

Clique aqui para ler sobre Greg Albert e sua abordagem à crítica.

Assista o vídeo: Ponto focal (Novembro 2020).